Acontece nos Fóruns

Escola de Caratinga abre aos sábados e oficinas mobilizam estudantes e moradores da região

Por meio do Programa Escola Aberta, unidade da rede estadual de ensino oferece oficinas de taekwondo, ballet e percussão

Imagem ilustrativa

As manhãs de sábado na Escola Estadual Menino Jesus de Praga, localizada em Caratinga, são dedicadas às atividades esportivas, artísticas e culturais. Participante do Programa Escola Aberta desde maio de 2016, a instituição de ensino envolve estudantes, pais e moradores em oficinas de taekwondo, ballet e percussão.

"É o momento em que os nossos alunos e a comunidade vivenciam a escola de outra forma. Percebem que é um espaço deles, da cidade”, comenta a vice-diretora, Maria Laurieves.

As ações são desenvolvidas, voluntariamente, por três oficineiros e acompanhadas por um representante dos pais dos estudantes, que abre a escola e zela pelos materiais utilizados. “Eles têm competências e habilidades específicas para ministrar as oficinas e, assim, estimular as potencialidades dos participantes”, afirma Laurieves.

Segundo a vice-diretora, as oficinas de taekwondo, ballet e percussão modificaram o comportamento e contribuíram para o processo de formação individual, grupal e disciplinar dos integrantes. “São atividades que exigem concentração e isso se refletiu no desempenho deles nas aulas. Os pais também relataram que os filhos, depois que iniciaram no projeto, tornaram-se mais organizados, disciplinados e respeitosos”, diz.

O coordenador das atividades, Normando Alves, é pai de dois estudantes - um menino de 7 anos, do 2º ano do Fundamental, e uma menina de 11 anos, que agora está no 6º ano do Fundamental. “Muitos garotos que tinham comportamento agressivo tornaram-se mais pacientes tanto com os professores e, principalmente, com os colegas”, afirma, concordando com a vice-diretora.

Alves acrescenta, ainda, que as ações diversificam a rotina dos alunos. “A criança não quer só estudar, mas também brincar. É um momento para elas fazerem atividades diferentes e isso estimula o relacionamento e a integração com as pessoas”, comenta.

Integração

Além dos 792 estudantes, do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, as atividades também são abertas à comunidade. “É uma aproximação dos moradores com a escola. Os vizinhos, os pais participam e acompanham seus filhos. É um momento de integração”, destaca Maria Laurieves.
Apaixonada por dança e por Matemática, Luana Martins, do 3º ano do Ensino Fundamental, encontrou no projeto uma oportunidade de continuar no ballet. “Eu tive que sair da outra escola em que dançava, mas não queria parar de fazer ballet. Então, meus pais me colocaram aqui e fizeram minha inscrição na oficina. O que eu mais gosto é de estar com meus amigos e com a minha professora”, relata.

Direcionada aos alunos do 1º e 2º anos do Fundamental, a oficina de Taekwondo foi uma das mais concorridas, com número de inscritos superando o de vagas. Os participantes, por sua vez, foram selecionados por meio de sorteio. “Eu amo lutar. Gosto de ir pra escola no final de semana, pois é mais um dia pra brincar com os meus amiguinhos”, conta Alicia Ferreira, de 8 anos. Ao todo, participaram da atividade 50 estudantes.

Com as oficinas de percussão, a Escola Estadual Menino Jesus de Praga retomou as atividades da Banda Fanfarra e participou de eventos realizados na cidade, como o desfile de 7 de setembro, dia da Independência do Brasil.

“Além de melhorar a autoestima do educando, o projeto também estimula o surgimento de novos talentos artísticos. Eles descobrem alguns dons e até sonham em ser músicos, dançarinos e atletas”, explica Laurieves, acrescentando que os jovens também se apresentam em eventos promovidos pela própria escola.

A banda também esteve presente em passeatas de combate à dengue e sobre o respeito às leis de trânsito, além de Festival de Ballet, realizado em parceria com uma academia de dança da cidade e reuniu 40 estudantes da escola. “Esses eventos são legais, pois todo mundo olha e aplaude a gente. Apesar do nervosismo, eu gostei de tocar para muitas pessoas”, conta a percussionista da Fanfarra, Tainá Rocha, aluna do 5º ano.

Fonte: Agência Minas